Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aprendizagens e Reflexões

Aprendizagens e Reflexões

Para consulta #3

Beatriz Costa, 20.05.24

No decurso da licenciatura e do mestrado em educação não se abordaram, tanto quanto se gostaria, temas como o autismo, a dislexia, o défice de atenção, a hiperatividade, etc. Vai se descobrindo ao longo de tempo e da prática. Em conversa com a Maria falamos de espaços, em Braga, que fazem um ótimo trabalho no que diz respeito a dar apoio ao desenvolvimento infantil. Deixo aqui os links:

 

Aproveito para partilhar uma página que pode ajudar educadores e respetivas famílias caso seja necessário dar mais apoio às crianças durante o seu desenvolvimento. "O Sistema Nacional de Intervenção Precoce integra um conjunto organizado de serviços da responsabilidade dos Ministérios da Saúde, do Trabalho e da Segurança Social e da Educação dirigido a crianças entre os 0 e os 6 anos e suas famílias e tem como missão garantir a Intervenção Precoce na Infância."

A ver... #13

Beatriz Costa, 23.04.24

Mulher dona de casa? Trabalho é "diferente entre homem e mulher", diz co-autor de "Identidade e Família"

 

 

"Porquê tantas críticas ao livro 'Identidade e Família'? Porque não o leram"

 

 

"O livro "Identidade e Família" é polémico, mas é bom que existam pontos de vista diferentes na sociedade"

 

 

Livro "Identidade e Família" é "uma representação das ideias derrotadas na sociedade portuguesa"

 

 

A família tradicional está a ser atacada? O debate de Rita Matias e Joana Mortágua na íntegra

 

 

Não li o livro e diz-se que não se deve julgar o livro pela capa...

 

"Na obra critica-se a legislação “que facilita o divórcio”, a procriação medicamente assistida, o direito ao aborto, a eutanásia, o casamento e a adoção por pessoas do mesmo sexo, a criminalização de terapias de conversão ou a educação sexual nas escolas que ensina “a arte do prazer”. A família “com pai e mãe” é o essencial na “formação da identidade”. Aponta-se o dedo aos “influencers digitais, espalhados pelas redes sociais que, em nome de uma pretensa liberdade, fomentam a desorientação das pessoas”, ou ao “sequestro dos conteúdos programáticos” na escola pública, a propósito da ideologia de género “sem base científica” e que “compromete o desenvolvimento humano”." Artigo de Raquel Moleiro aqui.

 

"Com a apresentação do livro “Identidade e Família” vieram à luz do dia algumas convicções que se apresentam como defensoras da valorização do papel da mulher enquanto dona de casa, ao mesmo tempo que enaltecem a maternidade e a dedicação à família, como se o exercício da parentalidade, a educação dos filhos, o conforto da família ou a gestão da casa, fossem funções e responsabilidades exclusivas da mulher, imputáveis apenas a si… Na verdade, o anterior representa a tentativa de resgatar um pensamento iminentemente machista, eivado da representação da mulher como uma boa dona de casa, submissa e insignificante em termos intelectuais, mascarado da preocupação com o estatuto das mulheres que, coitadinhas, precisam de ser valorizadas enquanto donas de casa…Artigo de Paula Dias aqui.

 

"Durante esta semana que passou fui surpreendido com a apresentação de um livro, "Identidade e Família", que contou com a presença de Pedro Passos Coelho assim como várias figuras destacadas de uma nova, velha, direita. Sinceramente foi para mim uma tremenda desilusão... Felizmente um amigo arranjou-me o livro, e apesar de ainda não o ter lido na sua totalidade, as citações já nos levavam para um caminho promissor." Artigo de Filipe Vaz Correia aqui.

 

"Não redigi este artigo para falar da imensa falácia que o conceito de “família tradicional” encerra, porque isso, creio, em pleno século XXI, é apenas redundar no que já todos sabemos. E é tão aborrecido dizer, de novo, que o modelo Pai+Mãe+Filhos não constitui uma fórmula estanque para a felicidade e o equilíbrio emocional dos seus elementos, ou da própria sociedade; ou de como atrás desta fórmula se esconderam – durante anos – vidas reduzidas e circunscritas ao poder patriarcal; ou ainda repetir que, sob a égide da família ideal, se subterravam abusos, infidelidades, maus-tratos, violência." Artigo de Ana Pinto aqui.

Webinar - "Libertem as crianças"

Beatriz Costa, 25.03.24

(Vídeo retirado do YouTube)

 

Um webinar com o professor Carlos Neto que veio reforçar a leitura do seu livro, já falado aqui e aqui. O webinar foi realizado através da plataforma Zoom, para quem se inscreveu, mas devido ao número elevado de participações a instituição partilhou o vídeo também no YouTube.

 

O FUTURO:

  • Estranho, imprevisível, desconhecido...
  • É necessário dar ferramentas às crianças para que elas se adaptem às adversidades.

 

O BRINCAR EM DECLÍNIO:

  • Aparecimento de desordens mentais, para além das físicas.
  • Desaparecimento da "escola de rua".
  • As transições - digitais, educacionais, climáticas...
  • Ver a "cidade" pelo vidro do carro.
  • Portugal - o país mais sedentário da Europa.
  • Declínio da saúde mental.
  • Aumento da obesidade.
  • "Pandemia do século" - muito tempo sentados.

 

O BRINCAR:

  • Plasticidade e amplitude neurológica.
  • Capacidade adaptativa.
  • Brincar não só com brinquedos, mas com objetos da natureza, brincar com os outros, brincar ao "faz de conta".
  • Confrontar-se com o risco (físico, mental, emocional, digital...).
  • Dá-se mais importância à sujidade das crianças, devido às brincadeiras, do que aos perigos digitais.
  • Necessidade de contacto físico - brincar às lutas, à fuga, à perseguição, à simulação da morte. Não proibir, incentivar.
  • Quanto mais confronto com o risco, maior segurança. Dá-se o exemplo dos países nórdicos - um bom exemplo de uma educação mais voltada para a natureza e mais ousada.

 

AÇÕES MOTORAS - BRINCAR:

  • Equilíbrio.
  • Rodar o corpo em vários planos.
  • Balancear o corpo - (o embalar - sensação maternal - de segurança). O típico pneu pendurado na árvore.
  • Escorregar - vertigem (plástico, terra, relva...)
  • Trepar - brincar nas alturas - cordas, árvores, paredes de escalada.
  • Lutar e perseguir.
  • Dominar orifícios - túneis, tubos, pontes, vegetação.
  • Perícias inabituais - malabarismos, cambalhotas, pinos, rodas...
  • Construir e destruir - blocos, areia, encaixes, castelos...
  • Locais secretos - brincar a desaparecer - procura de lugares escondidos, longe dos adultos.

 

PROBLEMAS ATUAIS:

  • Filhos do telemóvel. Passeiam-se mais os cães do que as crianças.
  • Dependência dos écrans - comparada ao consumo de droga e álcool.
  • Equilíbrio entre o digital e o natural.
  • Equilíbrio entre o contexto familiar e escolar.
  • Círculos viciosos: pais sem tempo - precaridade - filhos ao abandono. Problema político, social, educacional...

 

O PAPEL DA ESCOLA:

  • "Na escola não entra só o cérebro, entra o corpo todo".
  • Recreios escolares - vergonhosos, plastificados e sem riscos. A margem do risco físico diminuiu demasiado.
  • A escolarização do pré-escolar - estupidez.
  • O pensamento retrógrado de - memorizar - debitar nos testes - e continuar até à universidade.
  • Tem de haver uma grande mudança ao nível do risco e da segurança. Tem de se dar formação, aos pais, aos educadores e à sociedade em geral. É preciso descomplicar e ter presente que é normal: sujar-se, partir uma perna, esfolar um joelho... Os medos dos pais, dos educadores, da sociedade, não podem aprisionar as crianças.

"Libertem as crianças" - Carlos Neto

Continuação

Beatriz Costa, 21.03.24

1.ª Parte

DIFERENTES FASES DO BRINCAR:

  • Jogo de estereotipia rítmica - movimentos grosseiros de balancear e dar pontapés - (entre os 0 e 3 anos).
  • Brincar com as mãos - estimula a curiosidade e aptidão para a resolução de problemas.
  • Ajustamento corporal - domínio do equilíbrio corporal.
  • Aquisições motoras, sensoriais, percetivas, emocionais, cognitivas e sociais - muito importantes para futuras aquisições mais complexas.
  • Jogo do exercício - grande exaltação física e motora, com movimentos vigorosos de corrida, saltos e manipulações.
  • Atividades lúdicas e motoras - infância tardia (entre os 6 e 14 anos) - maior contacto físico - jogos de luta e perseguição.

 

NÍVEIS DE ATIVIDADE CONFORME AS IDADES:

  • Com menos de 1 ano - Bebés devem ser fisicamente ativos, várias vezes ao dia e de forma variada, incluindo-se brincadeiras no chão. É aconselhável que não passem mais de 1 hora, por dia, restringidos a cadeiras, carrinhos, etc.
    • Entre os 0 e os 3 meses - Bebés devem dormir entre 14 a 17 horas.
    • Entre os 4 e 11 meses - Bebés devem dormir entre 12 a 16 horas.
  • Entre 1 e 2 anos - Devem brincar ativamente de forma significativa, não devendo passar mais do que 1 hora inativos. Não é recomendado passar tempo sedentário em frente a écrans.
  • Entre os 3 e 4 anos - Aumentar o brincar livre e a atividade física. O tempo sedentário em frente ao ecrã não deve exceder 1 hora.
  • Entre os 5 e 6 anos - Atividades intensas de brincadeira no interior e exterior - exploração, descoberta, autonomia, etc.

 

ATIVIDADES LÚDICAS - 4 GRANDES GRUPOS:

  • Jogo simbólico - o "faz de conta".
  • Jogo com objetos - naturais, didáticos, tradicionais, entre outros.
  • Jogo social - com regras, exemplos: macaca, mata, berlindes, etc.
  • Jogo de atividade física - atividade motora (agarrar, lançar, correr, trepar...).

 

BENEFÍCIOS DO JOGO DE LUTA E PERSEGUIÇÃO:

  • Compaixão e respeito mútuo.
  • Habilidades motoras.
  • Saúde física e agilidade corporal.
  • Implementação das relações entre pais e filhos.
  • Autocontrolo e autocorreção.
  • Competição/cooperação.

WhatsApp Image 2024-03-21 at 05.18.18.jpeg

WhatsApp Image 2024-03-21 at 05.18.18 (1).jpeg

WhatsApp Image 2024-03-21 at 05.23.12.jpeg

WhatsApp Image 2024-03-21 at 05.23.12 (1).jpeg

 

OS RISCOS:

  • O receio que as escolas têm de apostar em recreios e espaços exteriores mais desafiantes, por causa dos perigos inerentes, é uma preocupação.
  • Para existir segurança têm de existir riscos, para que a criança aprenda a enfrentá-los, sejam eles físicos ou emocionais. Um dos primeiros riscos da nossa existência é dar os primeiros passos.
  • É necessário:
    • Confronto com espaço natural ou construído - trepar, equilibrar...
    • Imprevisibilidade do meio - saltar da cama, nadar...
    • Aventura corporal e componente emocional e simbólica - corrida, jogos de luta...
    • Liberdade de escolhas de brincadeiras.
    • As crianças que se confrontam com o risco têm mais segurança. Os pais e educadores devem limitar os riscos.

 

PORQUE DIMINUIRAM OS RISCOS:

  • Urbanização limitadora do brincar.
  • Muito foco na segurança.
  • Aumento de notícias sensacionalistas.
  • Escolarização excessiva.
  • Espaços escolares padronizados, sem valor e sem riscos.
  • Diminuição do contacto com a natureza.
  • Excessiva proteção.
  • Sociedade adversa ao risco.

 

O QUE FAZER:

  • Formação parental.
  • Novos modelos pedagógicos nas escolas.
  • Criação de cidades amigas das crianças.
  • É necessário:
    • Brincar com grandes alturas.
    • Brincar a grandes velocidades.
    • Brincar com ferramentas perigosas.
    • Brincar com elementos perigosos.
    • Brincar a desaparecer.
    • Brincar à luta.

WhatsApp Image 2024-03-21 at 05.41.51.jpeg

WhatsApp Image 2024-03-21 at 05.41.51 (1).jpeg

(Todas as imagens da minha autoria)

"Libertem as crianças" - Carlos Neto

Beatriz Costa, 18.03.24

livro3.jpeg

(Imagem da minha autoria)

Um livro extremamente atual do professor Carlos Neto, que, sem papas na língua, nos diz que as nossas crianças, atualmente, são analfabetas do ponto de vista motor. Apresento, de seguida, alguns apontamentos do livro.

 

PORTUGAL:

  • Sociedade com conhecimentos, mas até que ponto?!
  • Falta de harmonização entre o tempo de trabalho, o tempo de escola e o tempo em família.

 

O BRINCAR:

  • Necessidade de as crianças brincarem sem formatações e sem horários (em casa, na escola, na cidade, na natureza...). Brincar por prazer, sem estruturas, nem programas, pois o brincar livre não se ensina. Vive-se.
  • O brincar desenvolve a parte motora, social, cognitiva, emocional... O brincar cria imunidade.
  • O brincar depois da pandemia.
  • A necessidade de os pais brincarem com os filhos.
  • A importância de restituir a rua às crianças.
  • Necessidade de se desenvolverem estratégias, em comunidade, para tornar as cidades mais atrativas e seguras.

 

RAZÕES PARA A DIMINUIÇÃO DO BRINCAR:

  • Mudanças rápidas na sociedade (epistemológicas, demográficas, nutricionais...). O aparecimento do digital.
  • Superproteção parental.
  • Medos dos pais e educadores.
  • Redução das margens de risco. Se não correm riscos, não aprendem a viver em segurança.
  • Falta de independência de crianças e jovens.
  • Diminuição da literacia física, lúdica e motora.
  • Muitas horas sentadas, em casa e na escola.
  • Restrição e ausência dos tempos de recreio.
  • Agendas muito estruturadas.
  • Ausência de contacto com espaços naturais.
  • Planificação da estrutura urbana pouco amiga das crianças.
  • Ausência de uma política eficaz de harmonização entre o tempo de trabalho dos pais, o tempo na escola e o tempo em família.

 

CONSEQUÊNCIAS DA PRIVAÇÃO DO BRINCAR:

  • Narcisismo.
  • Sedentarismo.
  • Aversão ao risco.
  • Imaturidade.
  • Baixa autoestima.
  • Reduzida perceção espacial e temporal.
  • Menor desenvolvimento das áreas do córtex pré-frontal do cérebro.
  • Medo e insegurança.
  • Depressão.
  • Perda experiências de vida.
  • Sintomas físicos - dores de cabeça, alergias, dores de costas...
  • O jogo, na infância, permite-nos ser, no futuro, um adulto realizado, autónomo, empreendedor, emocionalmente estável... Quando não brinca a criança não desenvolve a flexibilidade mental - as formas de agir no mundo, os contactos com os outros... Isto gera: ansiedade, hiperatividade, problemas de sono, diabetes, doenças cardíacas...

 

DECLÍNIO DAS COMPETÊNCIAS MOTORAS E LÚDICAS:

  • Dificuldade em aperfeiçoar habilidades motoras fundamentais.
  • Dificuldade na perceção e orientação espacial.
  • Dificuldade em manter os níveis de energia na realização de tarefas motoras.
  • Dificuldade da coordenação motora global e segmentar.
  • Dificuldade no controlo do equilíbrio.
  • Medo, insegurança e hesitação.
  • Menos motivação, interesse e prazer em mexer o corpo.
  • Menos autoestima e contacto social.

 

CASTRAÇÃO:

  • Queremos que as crianças sejam “adultos em miniatura”: cumpridoras, domesticadas, sempre limpas, medrosas e quietas. Uma criança que não brinca de forma regular e sem constrangimentos não é uma criança saudável.
  • "As crianças não votam, não têm partidos políticos, nem sindicatos e são ouvidas com pouca frequência sobre as suas ambições, interesses, sonhos e motivações".

 

PORQUE É NECESSÁRIO LIBERTAR AS CRIANÇAS:

  • Para poderem brincar mais tempo de forma livre.
  • Para adquirirem maior literacia motora e lúdica.
  • Para terem mais oportunidades de correrem riscos.
  • Para deixarem de estar muito tempo sentadas e quietas seja em casa, ou na escola.
  • Para deixarem de ter agendas muito estruturadas.
  • Para dar mais liberdade da superproteção parental e dos medos dos adultos.
  • Para promover mais autonomia e mobilidade.
  • Para promover o brincar livre nas escolas.
  • Para promover o contacto com a natureza.
  • Para promover políticas públicas para a cidade, aumentando a participação das crianças.

 

CONTINUA

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.